Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessão Ordinária
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
28/03/2018 - 17h14min

Jean Kuhlmann alerta para decreto que ameaça setor atacadista de SC

Imprimir Enviar

O deputado estadual Jean Kuhlmann  ocupou a tribuna da Assembleia para questionar nesta quarta-feira, dia 28. o decreto estadual  1541/2018, que mudou regras de cálculo do ICMS para alguns produtos comercializados em Santa Catarina.

Assinado pelo governador Eduardo Pinho Moreira, o decreto introduziu uma alteração que muda o benefício da redução da base de cálculo, o chamado crédito presumido, para produtos alimentícios, materiais de limpeza e artefatos de uso doméstico.

O deputado Jean explica que, a partir de 1ª de abril, distribuidoras e atacadistas destes produtos terão que lidar com uma difícil situação: os supermercados e mercados menores, regidos pelo Supersimples, vão pagar mais caro pelo produto do fornecedor de Santa Catarina do que de fornecedores paranaenses e gaúchos.

"Quem vem do Paraná e vende para um supermercado do Supersimples, destaca 12% de ICMS. Quem é de Santa Catarina e vende para alguém de Santa Catarina, vai pagar 17% de ICMS. Ou seja, para esse dono de supermercado, é mais barato comprar de alguém de fora do que de Santa Catarina", afirmou o parlamentar.

Kuhlmann disse que conversou com o secretário da Fazenda de Santa Catarina, Paulo Eli, que demonstrou conhecimento do assunto, mas não poderá fazer nada até dia 1º de abril, quando o decreto começa a valer.

"Me deixa preocupado. É uma perda de competitividade muito grande para um setor economicamente importante do Estado", afirma o deputado Jean.

"Peço que o governador e o secretário da Fazenda revejam esse decreto, pois isso mexe diretamente com o emprego e a geração de renda em nosso Estado".

Acompanhe Jean Kuhlmann


Jean Kuhlmann
Voltar