Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
21:00
Ouvir
21:00 Cidade Inteligente

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
11/08/2017 - 16h04min

Erika Kokay fala sobre perda de direitos, desumanização e violência contra as mulheres

Imprimir Enviar
Deputada federal Erika Kokay
FOTO: Miriam Zomer/Agência AL

A deputada federal Erika Kokay (PT/DF) falou sobre perda de direitos, desumanização e violência contra as mulheres nesta sexta-feira, dia 11, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. A parlamentar esteve em Florianópolis como convidada especial para falar no 3º Congresso Nacional do Parto Humanizado – Afirmando a autonomia da mulher.

Erika Kokay, em seu segundo mandato na Câmara dos Deputados, destacou em sua fala sobre o processo de naturalização da violência no Brasil, principalmente contra as mulheres.  “Existe um processo de opressão e dominação, que vai naturalizando as violências, para que não percebamos a violência como violência”, disse a deputada.

A parlamentar exemplificou a violência obstétrica, onde “o parto, que é uma atribuição da mulher, é apropriada pelo outro. Demoramos a perceber a violência obstétrica e que o parto humanizado é um direito”, destacou Erika Kokay. “Nós mulheres fomos desumanizadas no país, quando nossos corpos estão sempre em disputa, de negras, índias, trabalhadoras, LGBTs”.

Segundo a parlamentar, “os corpos das mulheres são objetos de domínio dos homens e dessa elite na sua construção fundamentalista de poder”. Para ela, “a igualdade de gênero é estruturante para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária”. E citou como um dos grandes avanços da Lei Maria da Penha mostrar que alguns tipos de violência não deixam marcas na pele, mas deixam na alma, como a violência doméstica”.

“Os desafios são imensos para que possamos enfrentar o machismo e o sexismo e perceber as violências que nos atingem, que foram tão naturalizadas, que vão nos aprisionando, sem que possamos perceber as nossas próprias prisões”, disse a deputada. “Mas as mulheres têm um pacto com a coragem, com a liberdade e quando se movimentam vão transformando o conjunto da sociedade”, argumentou.


Equipe de Comunicação
Gabinete da Deputada Ana Paula Lima

Acompanhe Ana Paula Lima


Ana Paula Lima
Voltar