Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
01:30 Sessão Ordinária
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
17/11/2017 - 14h36min

Com o sucesso em Lages, SC terá mais duas Fábricas de Gaiteiros

Imprimir Enviar

Uma semana antes de completar um ano que Lages recebeu o anúncio da Fábrica de Gaiteiros, do músico Renato Borghetti e que funciona no Colégio Rosa, foi informado, na noite desta quinta-feira (16), que Santa Catarina terá mais duas escolas para crianças e adolescentes interessadas em aprender gaita-ponto: São Joaquim e Blumenau.

A unidade de Lages foi obtida após conversa entre o deputado Gabriel Ribeiro e Borghetti na cidade de Barra do Ribeiro, próximo a Porto Alegre, em fevereiro de 2016, quando o músico achou a ideia interessante, mas, num primeiro momento, argumentou que não estava nos seus planos expandir a Fábrica para outros Estados. A medida que as tratativas foram avançando, houve uma parceria com o Sesc, o projeto se concretizou e Lages recebeu a primeira unidade fora do Rio Grande do Sul.

Nesta quinta, o anúncio foi feito pelo presidente da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC), Bruno Breithaupt, durante inauguração da unidade do Sesc em São Joaquim. Ainda não há data marcada para o começo das atividades, mas o martelo está batido.

Como Lages, São Joaquim tem uma forte identidade com a cultura gauchesca, que preserva a gaita-ponto. Com Blumenau, Borghetti tem laço estreito especialmente com a orquestra daquela cidade, com a qual tem parceria em shows pelo Brasil.

A Fábrica em Lages tem 35 alunos. Apesar do pouco tempo, eles já estão fazendo as primeiras apresentações, como a ocorrida na inauguração da unidade do Sesc em São Joaquim.

A Fábrica de Gaiteiros é um projeto idealizado por Renato Borghetti. Com a falência de fabricantes do instrumento no país, ele entendeu que a gaita-ponto estava com os dias contados e iria acabar. Então, comprou de empresas falidas equipamentos para fabricar as gaitas e passou a montar os instrumentos a preço de custo. Hoje, os alunos recebem as gaitas emprestadas, mas podem leva-las para casa para ensaiar. O Rio Grande do Sul tem oito escolas de crianças e adolescentes gaiteiros e Santa Catarina possui uma, e está prestes a ter mais duas.

--

Tarcísio Poglia
(48) 99165.9742 e 3221.2695
Assessor de imprensa
Gabinete do deputado Gabriel Ribeiro

Acompanhe Gabriel Ribeiro


Gabriel Ribeiro
Voltar