Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Whatsapp Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
20:30 TVAL Notícias
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
20/05/2020 - 19h56min

Campagnolo protocola pedido de impeachment do governador de SC

Imprimir Enviar
Deputada Ana Campagnolo e deputado Mauricio Eskudlark entregam pedido de impeachment ao presidente da Alesc, deputado Julio Garcia
FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

Deputado Maurício Eskudlark (PL) é coautor no processo e já foi representante do governo na Alesc

Na terça-feira, 12 de maio, a deputada Ana Campagnolo (PSL) protocolou, às 15h, o pedido de impeachment do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés. O deputado Maurício Eskudlark, ex-líder do governo na Assembleia Legislativa, será coautor do pedido.

Após escândalos de superfaturamento e desvio de dinheiro público na compra de equipamentos de saúde em meio à pandemia do Covid-19, acusações de violação de direitos fundamentais dos cidadãos catarinenses incorporadas em medidas de isolamento social, outra crise recente abalou o staff do governo estadual.

A compra de 200 respiradores mecânicos ao custo de R$ 33 milhões pagos antecipadamente a uma empresa desconhecida do Rio de Janeiro e, ainda sem a entrega dos produtos, provocou a saída de secretários de duas pastas do governo: Helton Zeferino, secretário de Saúde, e Douglas Borba, chefe da Casa Civil. Além disso, uma força-tarefa envolvendo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Tribunal de Contas do Estado (TCE/SC) e pela Polícia Civil iniciou nos últimos dias a Operação Oxigênio para investigar a compra do que foi chamado de "respiradores fantasmas". Ao todo 35 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em quatro estados brasileiros.

Após protocolado, o pedido de impeachment segue para votação em plenário. É preciso adesão de 26 dos 40 deputados estaduais para aprovação.

Acompanhe Ana Campagnolo


Ana Campagnolo
Voltar