Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ouvir
00:05 Programação Musical

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
08/02/2017 - 08h54min

108 anos do nascimento de Dom Hélder Câmara

Imprimir Enviar
Dom Hélder Câmara. FOTO: Divulgação/Arquivo da Arquidiocese de Recife e Olinda

O aniversário de 108 anos de nascimento de Dom Hélder Pessoa Câmara foi tema de pronunciamento do deputado Cesar Valduga (PCdoB), durante a primeira sessão ordinária do ano da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, na tarde de terça-feira (7).

Dom Hélder nasceu em Fortaleza, no Ceará, em 1909. Em 1956, fundou a Cruzada São Sebastião, com a finalidade de dar moradia decente aos moradores das favelas, e em 1964 foi designado arcebispo de Olinda e Recife, cargo que exerceu até 2 de abril de 1985.

Um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB, Dom Helder se destacou como grande defensor dos direitos humanos em plena ditadura militar, sendo indicado para o Prêmio Nobel da Paz. Seu processo de canonização foi iniciado no ano de 2015 pela Santa Sé.

Durante o regime militar, período de intensa perseguição política, Dom Hélder costumava dizer: “Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo, mas quando pergunto os motivos dos pobres passarem fome, me chamam de comunista”.

Uma das muitas histórias de Dom Hélder que ilustram sua dedicação e coragem na defesa dos direitos humanos é a que, certa noite, familiares aflitos o procuraram, pois um homem tinha sido preso e estava sendo espancado na delegacia. Rapidamente, o religioso ligou ao delegado e disse: “aqui é Dom Hélder. Está preso aí o meu irmão”. O policial, assustado, teria questionado: “Seu irmão, eminência?”. E Dom Hélder explicou: “apesar da diferença de nomes, somos filhos do mesmo pai”.

Para o deputado Valduga, o exemplo de Dom Hélder é fundamental para os tempos de tensões políticas e insurgência de posturas fascistas na sociedade brasileira. “Nestes tempos em que vivemos o acirramento do clima de ódio entre grupos com pensamentos diferentes, em que a intolerância tem se destacado e tomado o lugar do bom diálogo, a busca do bem comum tem sido protelada, se faz mais que necessário recordarmos personalidades como a de nosso grande Dom Hélder Câmara.”

O parlamentar também fez referência aos ensinamentos de Dom Hélder sobre o diálogo e a busca do bem comum. “Temos ouvido discursos de ódio e de incentivo ao desrespeito aos direitos humanos em diversos parlamentos, em especial neste momento onde se apresenta a crise de segurança no estado do Espírito Santo.Para este momento, fica a grande lição de Dom Helder câmara, de que muito mais vale quando as forças vivas da sociedade se juntam em busca do bem comum, em unidade, e não cada um por si”, afirmou.

Ao encerrar seu pronunciamento, o deputado ainda recordou: “Sobre a figura iluminada deste que é um dos maiores brasileiros de todos os tempos, faço um último registro, um grande conselho deste mestre do diálogo pelo bem comum e da defesa dos direitos humanos, nosso Dom Hélder Pessoa Câmara: 'se discordas de mim, tu me enriqueces'. Viva Dom Helder Câmara! Viva o diálogo pelo bem comum!”

Assessoria de Gabinete

Acompanhe César Valduga


César Valduga
Voltar