Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Whatsapp Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:30 Sessões - Seminários - Eventos
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
Publicado em 19/12/2019

Extremo Oeste tem caminho de aromas e circuito de cicloturismo

Imprimir Enviar
Roteiro percorre 16 cidades da Associação de Municípios do Entre Rios (Amerios), no Extremo Oeste de Santa Catarina

Seis dias, 16 municípios, 300 quilômetros de pedal entre estradas de chão e asfalto. Yoga, dança circular, sabonete de lavanda, ginseng, plantas medicinais, chás, vinhos e cerveja artesanal. Tudo isso aliado a belíssimas paisagens, cachoeiras de águas cristalinas e refrescantes e a hospitalidade característica do interior catarinense.

Quem se aventurar pelos Caminhos Aromas e Chás e Circuito de Cicloturismo Velho Oeste – roteiro que percorre 16 cidades da Associação de Municípios do Entre Rios (Amerios), no Extremo Oeste de Santa Catarina – encontrará, durante seis dias, atividades para todos os gostos.

“A ideia do cicloturismo e da rota Caminhos Aromas e chás é trabalhar o turismo holístico, que é toda essa parte de saúde e equilíbrio, as práticas integrativas e complementares que estão dentro do SUS também”, explica a enfermeira Kiciosan Galli, professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e uma das maiores entusiastas do projeto.

Práticas integrativas são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças como depressão e hipertensão. Em alguns casos, também podem ser usadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas. “A gente já tem o grupo de dança circular a cada 15 dias e vai ter yoga e meditação, em horários específicos pensando nos horários em que o turista pode chegar”, conta a professora.

No espaço, montado dentro do quartel da Polícia Militar de Cunha Porã, o cicloturista vai encontrar horto medicinal, com várias plantas, inclusive plantas que podem auxiliar na pedalada e no pós-pedalada – como ginseng, alecrim, lavanda e erva baleeira – e também um espaço para relaxamento, meditação, da dança circular e do yoga.

O turista chega e recebe todas as orientações – inclusive com os horários das práticas neste espaço. A visitação ao horto é independente do horário. E também pode beber o chá e levar a tintura, o sabonete para sua pedalada. “Chegou ao hotel, pode tomar a tintura de lavanda pra se acalmar, tomar banho com sabonete de erva baleeira para diminuir a dor do pedal, e antes do pedal pode fazer a dança circular e a meditação para entrar nesta conexão”, ensina Kiciosan. “A meditação trabalha a concentração, a tranquilidade, o foco. E precisa do foco para pedalar, principalmente nas nossas estradas, com muitas pedras, então o foco não pode faltar”, ressalta.

Cultura da região
Segundo a professora, a utilização de chás e plantas medicinais fazem parte da cultura da região. “Sempre fui envolvida com isso, mas quando eu fiz doutorado, descobri que grande parte dos municípios daqui tem algum horto medicinal vinculado à Pastoral da Saúde, Movimento das Mulheres Camponesas ou à Epagri.”

O lançamento pelo Ministério da Saúde, em 2006, da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares inseriu estas terapias dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). “Tigrinhos oferta plantas medicinais no posto de saúde. Flor do Sertão e Caibi indicam a planta medicinal e a pessoa vai na pastoral de saúde pegar. Faz parte da identidade cultural aqui”, revela Kiciosan.

A aposta no cicloturismo veio porque, além de ser uma atividade muito praticada pela população local, atrai gente de todos os cantos do país e do mundo. “São pessoas que querem conhecer novos lugares, curtir estes espaços. E ele não faz só uma vez, ele retorna para conhecer mais. É um turista que tem essa conexão de conhecer, esse olhar para a natureza, ele gosta de estar com as pessoas, de conversar.”

Outro motivo é a tentativa de explorar esse potencial turístico do Oeste catarinense, criando uma alternativa para o desenvolvimento econômico independente da agroindústria. “Temos uma potencialidade muito grande que não é a agroindústria, que é o turismo de natureza, o turismo de aventura, é vinhedo, cervejaria, que não aparece. A gente pretende, com isso, potencializar a economia, fugindo deste olhar ‘agroindústria’.”

Hospitalidade
Ao longo do roteiro, o turista vai notar a hospitalidade e o calor humano característicos do Oeste catarinense. A cada 70 quilômetros, em média, hotéis e pousadas já estarão esperando pelos viajantes. Mas, além disso, pontos para água, fruta, hidratação, alimentação e descanso. “E esses locais são propriedades rurais onde os agricultores estão esperando. Muitos deles com comida típica e a possibilidade de o ciclista ou turista conhecer a propriedade e as atividades rurais, como a ordenha do gado, a coleta da uva”, diz Kiciosan.

Apoio da PM
A implantação do projeto vem contando com uma colaboração muito importante da Polícia Militar. O quartel da PM em Cunha Porã tem um horto de plantas medicinais, salas para produção de sabonetes, tinturas e cremes, espaço para práticas integrativas e atendimento para quem chegar.

“Nós, da Polícia Militar, ficamos encantados com o projeto já no primeiro contato. O grupo de projeto desejava apenas usar uma área do quartel, mas, à primeira vista, vislumbramos que era possível fazer mais”, afirma o comandante-geral da corporação, coronel Araújo Gomes. “Era possível transformar esse projeto, como acabou acontecendo, num piloto em que a Polícia Militar entra com muita intensidade na produção, na consolidação de um movimento de desenvolvimento econômico local.”

O coronel destaca que entre as várias vantagens do projeto está a colaboração com a segurança pública. “O horto que foi implantado dentro do quartel através de uma cessão de uso é o ponto de partida que irradia geração de emprego e renda, criação de uma vocação econômica, fortalecimento de uma vocação turística que gera a prosperidade que coopera com a segurança. E é nesse sentido que nós entramos.”

Além das instalações, a PM também vai disponibilizar policiais da reserva para atuar junto ao projeto. “Assim, nós envolvemos os nossos policiais nas práticas diárias do projeto, estruturamos serviços para atender o aumento de demanda turística em toda a região e passamos a integrar, de maneira muito ativa, o grupo de gestão do projeto. O resultado não poderia ter sido melhor”, comemora o comandante. “Hoje temos uma região mais próspera, temos a comunidade mais próxima dos policiais, isso é algo que buscamos todos os dias. E os policiais percebendo a comunidade com outro olhar”, finaliza.

Voltar